quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Mercenários

As mãos trêmulas, os olhos vermelhos se quer conseguem disfarçar sua ansiedade. Se pudessem venderiam seus rins, seus pulmões, carne, nervos; seus filhos. Nada tem valor comparado ao vil metal!

A alma tem um preço, porém simbólico e místico; se houvesse maneira de vendê-la o teriam feito desde o príncipio de suas vidas miseráveis. O que importa mais que o capital? O que importa mais que o cheiro podre dessa matéria sem dono, volúvel e infiel, que corrompe até o mais gentil e destrói até a mais firme convicção?

Esses mercenários vadios e imundos, que vendem até mesmo a própria filha em troca de um genro que ganha mais que toda a renda de sua família junta, somente pela palavra insistente e cretina chamada "segurança". Qual segurança, seus mercenários? Segurança de que a filha usada terá uma casa confortável, empregados e uma vida vazia e fútil, pois havia jogado todo o seu futuro no lixo em prol de uma causa que pensava ser sua, que um dia cogitou a possibilidade de estar correta e que um dia achou que sua vida seria resumida em jantares elitizados com um grupo de pessoas completamente vazias, com seus bolsos transbordando de dinheiro, e suas bocas transbordando de fezes.

Mercenários cruéis, somente o universo que gira em torno de seus umbigos importa, pois passam por cima de qualquer um para atingirem seus objetivos. Não têm capacidade de lutar pelos seus idéais e querem transformar a vida daqueles que lhes estão próximos num verdadeiro inferno somente para satisfazer os seus desejos vigaristas. Penso que a morte seria uma boa alternativa, porém são tão infames que se quer a terra lhes absorvirá as entranhas, se quer os vermes lhes roerão a carne.

Um comentário:

Camponês disse...

O mundo é cheio destes seres, o pior de tudo é conviver com eles, mas se é um sorriso falso que os agrada o terão acompanhado de sarcasmo e palavras loucas de alguém que supostamente gospe no prato em que come, tão indelicado como um cão que morde o próprio dono será durante toda uma vida...

gostaria de imaginar que este mundo é apenas belo, me cegando destes seres, mas a realidade é o que posso mudar quando pensarem ter controlado toda a situação...

Abraços